Estrogonofe a lá OFE

Algumas dicas do meu modo de fazer um prato comum:

– Enquanto doura/cozinha a carne, adicione molho de soja (shoyo) ou molho inglês;

– Nunca compre carne cortada no Extra;

– Use polpa de tomate no lugar do catchup;

– Deixe no fogo por mais de uma hora (se tiver tempo, claro);

– Conhaque: flambado ou na receita proporciona outra sensação.

São dicas que podem revolucionar sua maneira de preparar um estrogonofe. Se você utiliza todas, você pode chamar o estrogonofe de seu. Se você tem mais uma dica, me fala, que eu chamo ele do seu nome, ta?

Quem poderá nos defender? Ele, o Molho Inglês

Final de mês e começo de semana definitivamente não combinam. O que você encontra na sua geladeira, que não seja água? Aqui, depois de excessivas doses de feijoada, além dela, encontrei pedacinhos de bife, que fritos inteiros, seriam uma provável palhaçada com a cara dos nossos estômagos.

Cortar a carne em pequeninos pedaços e adicionar aquela cebola em cubos e aqueles tomates marotos dá um volume incrível, e na falta do tempero para arroz, aquele chilli mexicano dá um upgrade no seu branquinho. Mas quem salva na hora de dar um sabor diferente na sua carninha? Hum?

Quem te salva naquela hora em que você gostaria de comer um estrogonofe, mas tem plena consciência, de que só o mês que vem poderá usufruir dessas maravilhas de mercado? Quem te salva: ele, o Molho Inglês.

luz

Com um sabor ácido e encorpado, o saudoso Molho Inglês não falha. Quando sua carne estiver quase lá, jogue uma quantidade razoável e sinta a diferença. Esse sabor se ressalta com a cebola. Quando você quiser fazer seu próprio McCheddar, depois de fritar o hambúrguer, jogue cebolas em fatia e deixe cozinhar com molho inglês. A receita original da milhardária franquia, é essa, aliás.

Esse molho, ralo e pretinho lindo, chamado de Worcestershire nas mediações de fato inglesas, é preparado com vinagre, melaço, chili, molho de soja, pimentão, tamarindo, anchovas, cebolas, cravo-da-índia e alho, e é um intensificador de sabor. Quem diria meu povo, que tudo isso, estaria num pequeno frasco. É o que nós baixinhas costumamos dizer, não é nosso tamanho que nos define. Tem uma força absoluta e marcante por trás dos menores frascos, certo? 🙂

Se você quer um truta de cozinha que possa te salvar sempre que o perrengue bater, já sabe: chame o Molho Inglês.

Contavam com minhas astúcia?

Pedido preferido é assim: almôndegas recheadas com cream chease

Tem gente que eu pergunto: você gostaria de comer alguma coisa (que não seja eu, ok) específica hoje? E elas, dentro das possibilidades financeiras do dia, tem uma infinidade de opções.

Pastel, fogaça, bolinho de arroz, calabresa acebolada, macarrão com isso, macarrão com aquilo, risoto, creme de milho, frango ao curry, enfim, tem muita coisa que eu faço, que as pessoas sabem que podem pedir. São muitas opções acessíveis. Mas sempre vai ter aquele “bife com batata” na vida das pessoas, que são resposta pronta, quando essa pergunta é feita. É o caso do Danilo. Toda a vez que eu pergunto isso, ele responde: AS almôndegas.

Certa vez, cansada da carne moída habitual, eu abri a geladeira, vi meus temperinhos básicos e um requeijão. Na despensa, farinhas de rosca e trigo. Bem, do nada, lá estava lá eu fazendo bolinhas de carne empanadas, recheadas com requeijão. Nasceu assim a maior obsessão do Danilo, quando se trata de pedido do dia.

Imagem

Assim, quando eu fiz pela última vez essa pergunta pra ele, a resposta já estava afiada. Acontece que coincidiu com minha TPM. Então eu resolvi não empanar, porque estava sem paciência, rs.

Lembra de quando nós brincávamos com massinha na escola? Pois fazer as almôndegas recheadas me lembra isso. Moldar massinhas. Você tempera a sua carne moída marota, de várzea, de raiz, moleque, com sal, pimenta do reino, alho e salsinha, e mistura com uma colher.

Depois, você pega a carne, na quantidade de uma colher por vez e molda o formato da palma da sua mãozinha. Coloca o requeijão (dessa vez eu usei Philadelfia Light da promoção, que é mais consistente. Mas você também pode colocar queijo, deve ficar mui bueno) e dá uma fechadinha na palma, depois coloca um rejuntinho de carne e molda até fechar. E assim, você tem bolinhas lindas para fritar no óleo e aumentar seu colesterol! ♥

Imagem

Pra acompanhar – e sair da rotineira batata comum, eu resolvi fritar umas batatinhas doces. Pois acho que ela merecem uma chance na vida. Tenho um hábito de consumir quando eu como, geralmente, batata normal a semana inteira. Fiz fritinha, ficou sequinha, um amor de batatinha!

O tipo de petisco ótimo pra tomar com uma brejinha, mas como eu fiz na segunda-feira, e eu prometi (a mim mesma) que durante a semana agora só em ocasiões incríveis e lugares exóticos, tomei com meu suquinho de manga.

Acaba rápido. Faz o seu e chama ozamigo e azamiga pra compartilhar que esse, pode ser não só o preferido dele, como pode virar o seu também.

Hambúrguer AND de maminha ao gorgonzola

Sexta-feira é dia de caprichar, né? Tem mulher que curte caprichar no visual e arrasar na pista. Sou mais caprichar no tempero e arrasar no fogão.

Aproveitando o último resquício da minha compra no Mercadão da Lapa, meia peça de maminha, resolvi deixar ela como ponto alto do meu jantar, e fazer uns hambúrgueres, com metade de um gorgonzola, também de semana passada.

Essa semana eu comprei uns ovinhos de codorna, que não foram todos consumidos. Aproveitei e vi uma receita de ovos à milanesa, no site do Edu Guedes, e resolvi adaptar.  As batatas também foram usadas na semana, em 3 partes, para fechar o esquema, e foram ao forno por 40 minutos com azeite e alecrim. Parece chique pra você? Mas não é não.  São coisas que eu já tinha. Uma pro macarrão, outras pro feijão com arroz nosso de cada dia, mas a maminha confesso, que, assim como o fusilli eu deixei pro final, pra ser especial mesmo. O que eu precisei comprar foi a farinha de rosca, o alecrim, o pão e o vinho, por que afinal, hoje é sexta. Imagem

Pra fazer um hambúrguer e chamar de seu você pode usar qualquer carne, usando um moedor ou processador, ou comprando moída. Não foi meu caso. Os grandes chefes usam a ponta da faca, e você paga 43 reais pelo prato. Eu uso a ponta da faca porque não há outra opção e pago 10. 🙂

Carne picada/moída/triturada, adicionar alho, cebola e salsinha bem picadinhos, pimenta do reino e sal a gosto. Eu aprendi com vovó, que fazia hambúrgueres e congelava na lá na pré-história, a colocar gema e caldo de cebola em pó na receita. No meu caso eu usei uma pitadinha de farinha só pra dar uma liga mais a gema.

Quando tiver misturado, você vai sentir uma leve impressão de que tudo foi pro espaço. Mas aperta. Aperta como se você estivesse apertando o que você mais gosta de apertar (aqui, sou a favor da diversidade). Aí sim, molda no estilo cachorro, bem grande, e alto. Eu deixei no freezer por um tempo, pra ficar firmão. Selei na frigideira e finalizei no forno, já na parte debaixo do pão, e deixei por uns 20 minutos. O gonrgonzola eu coloquei por mais 5 minutinhos. Na tampa do pão eu aproveitei a clara, pois nada deve ser desperdiçado, e dei uma pincelada com clara e parmesão. Imagem

Só não espere que ele vá ficar como sola de sapato por dentro, porque para comer o VERDADEIRO hambúrguer tem que ter culhões. Geralmente o ponto é rosado por dentro, e você não morre por isso. Faz seu Mr. Ham, manda pra mimmmmm e deixe o The Fifties no passado.